podes mudar o mundo miúda

“Futebol não é para meninas”

Sentei-me numa mesa virtual com sete meninas, dos dez aos 18 anos. Quis saber como é que cada uma sente o “peso” da palavra MULHER. Fiz duas perguntas:

O que é para ti ser mulher? Já alguma vez sofreste por ser mulher?

As respostas estão aqui. Sem edição. Com emoção.

Para mim ser mulher é ser corajosa, determinada, decidida e independente. As mulheres cada vez mais vão ser independentes. Já sofri por ser mulher. Na escola antiga sofri maior discriminação em relação à minha aparência por ser mulher. Os meninos não gozavam com os rapazes mais gordinhos, mas com as raparigas sim.

Leonor, 10 anos

“Ser mulher é um grande desafio. Ao longo do tempo que fui crescendo, apercebi-me que, mesmo hoje em dia, continua a haver preconceito, em relação aos géneros na sociedade. Acho que apesar de ser uma realidade totalmente diferente de antigamente, a diferença entre homens e mulheres, continua a ser visível, quer nos estereótipos físicos (as mulheres têm de ter um corpo perfeito), quer no nível de profissões e atividades (há atividades e profissões destinadas somente aos homens e outras às mulheres). Mas mesmo com todas as dificuldades que possam estar associadas, é um orgulho poder levantar-me todos os dias e poder dizer que sou uma mulher. Felizmente nunca sofri com o facto de ser mulher. Mas sinto que já com a minha idade, mesmo nas mais pequenas coisas, há diferenças entre ser homem e mulher, nomeadamente, no facto de se ter ideia de os homens são melhores no desporto ou que são mais fortes… Mas nunca sofri diretamente com isso.”

Madalena V., 13 anos

“Pensam que ser mulher é ser fraca, é ter de obedecer sempre aos homens, é ter de vestir sempre vestidos ou saias, é casar, ter filhos e ser dona de casa. Mas, para mim, ser mulher é ser forte. É poder vestir o que quero e ter a profissão que quiser. É ter de lutar todos os dias. Na minha opinião, ser mulher é ser 100% livre. Infelizmente, já sofri por ser mulher. Por exemplo, quando foram à minha escola uns treinadores para nos ensinarem um pouco de futebol, não me deixaram jogar. Supostamente, “futebol não é para meninas”.”

Madalena S., 13 anos

“Ser mulher é cada vez melhor, porque não me sinto inferior a ninguém e sinto que posso fazer tudo! Nunca sofri por ser mulher, mas, por exemplo, na minha escola, em Educação Física o limite de exercício das raparigas é muito inferior ao dos rapazes. Eu sou rapariga e consigo ter resultados superiores ao dos rapazes. Não acho justo.”

Luz, 13 anos

“Ser mulher é ser corajosa, é saber lutar pelos meus direitos, é ser feliz, é saber lidar com preconceito, é viver sem limites. Isso, para mim, é uma mulher ! Já sofri por ser mulher numa aula de Educação Física. Ouvi comentários do género: “as raparigas não sabem jogar futebol”, “as raparigas não sabem jogar isto e aquilo”… Sofrer por ser mulher é uma situação que acontece muito frequentemente no mundo.”

Rita, 14 anos

Ser mulher é ter o poder e oportunidade de mostrar a toda a gente, todos os dias, que o meu sexo não me define, nem a mim nem a nenhuma de nós. Mulherzinhas com a minha idade que, apesar de ainda sermos pequenas e ainda termos pouca liberdade, vamos ser nós que, a pouco e pouco, vamos tornando o mundo num lugar mais igualitário, justo, livre e bonito. Acho que todas nós já sofremos de alguma forma por sermos mulheres. No meu caso, graças a Deus, que apenas sofro em coisas do dia a dia, a que, infelizmente, já me habituei.
Sofro muito por pensar que, em pleno século XXI, ainda há mulheres que não têm liberdade, que não têm condições em casa, que não têm oportunidades, que não têm emprego, que não têm poder sobre a sua própria vida, que não têm o direito de viver basicamente, não por terem feito algo, mas por serem apenas mulheres. Não devia ser assim, mas é.
É assim e ainda vai demorar a corrigir, até lá continuaremos a sofrer com os comentários alheios quando passamos na rua, com o não nos sentirmos confortáveis em locais escuros ou com poucas pessoas por perto, quando tivermos de escolher ao pormenor que roupa levar e que tipo de comentários ou ações poderão surgir, quando sentirmos a necessidade de ligar a alguém ou fingir pelo simples facto de estarmos a voltar da escola sozinhas, até lá vamos sofrendo com estas coisinhas diárias que são, mas não deveriam ser consideradas normais.

Luísa 15 anos

“Ser mulher é darmos provas diárias do nosso valor, é sermos multifacetadas, mas, acima de tudo, é partilharmos cada pequena vitória juntas. Já sofri por ser mulher. Infelizmente, é um problema que acontece demasiadas vezes. Existem pequenas experiências do dia a dia que, podem parecer insignificantes ao olhar dos homens, mas que me fazem sentir inferior, são esses: exclusões com base no sexo, mansplaining, a objetificação do nosso corpo, entre muitos outros.

Margarida, 18 anos

Nota: no caso das menores de idade, todos os depoimentos foram recolhidos com a autorização dos encarregados de educação.

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *